DESAFIO

Como podemos promover a autonomia de jovens e adultos que estão condicionados na realização das atividades de vida diária, através de soluções tecnológicas, de modo a reduzir a necessidade de apoio permanente de terceiros e retardar a sua institucionalização?

PROBLEMA / NECESSIDADE

O problema/necessidade desta área de atuação situa-se ao nível da promoção da autonomia de jovens e adultos que se encontram condicionados na realização das atividades de vida diária por vários motivos, como por exemplo: envelhecimento, demência, perturbação neurológica, doença crónica, acidente e traumatismo, alteração da saúde mental, deficiência mental, motora ou sensorial, deficit cognitivo, perturbação do desenvolvimento, necessidades educativas especiais, etc. Estes jovens e adultos podem encontrar-se ainda nas suas casas, apoiados pelos serviços da SCML, ou em equipamentos específicos (como as residências assistidas) mas encontram-se sempre dependentes, em maior ou menor grau, do apoio de terceiros (cuidadores informais, formais e técnicos da SCML) para realizar as atividades do dia-a-dia. Estas atividades incluem o ato de vestir-se, cuidar da sua alimentação, fazer a sua higiene pessoal, efetuar compras básicas, tomar medicação, cuidar da sua roupa e da sua casa, etc. A situação de dependência condiciona a autonomia destas pessoas e a vivência deste tipo de situações tem um enorme impacto no seu bem-estar psicológico e qualidade de vida.

As tendências de intervenção nesta área vão no sentido de usar as potencialidades da tecnologia e do mundo digital para promover/apoiar a autonomia dos jovens e adultos e complementar as necessidades de apoio humano. Para este efeito é necessário criar e desenvolver novas soluções que auxiliem a gestão da vida diária de jovens e adultos que experienciam situações de autonomia condicionada. É necessário introduzir ferramentas digitais e tecnologias de apoio no funcionamento quotidiano que complementem o apoio de terceiros, de modo a minimizar a necessidade de apoio permanente e retardar a institucionalização destes jovens e adultos.

A área da Ação Social da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa tem por objetivo a promoção da coesão social e o bem-estar dos residentes na cidade de Lisboa, atuando na prevenção de situações de desigualdade, carência socioeconómica e exclusão social, através da união de esforços e rentabilidade dos recursos locais, em parceria com entidades públicas e privadas. Esta área reúne um leque variado de respostas dirigidas a crianças, jovens, adultos, famílias e idosos em situação de vulnerabilidade e pauta-se por princípios e conceitos como a cidadania e direitos sociais, a proximidade e territorialidade, a transversalidade e integração, a parceria e participação, a inovação e qualidade, a valorização e gestão de recursos e capacidades e, acima de tudo, a responsabilidade e o compromisso com a Missão da Santa Casa. A gestão desta área é da responsabilidade do Departamento de Ação Social e Saúde (DASS).

infoPARA SABER MAIS

CULTURA
CULTURA
ECONOMIA SOCIAL
ECONOMIA SOCIAL
PATRIMÓNIO
PATRIMÓNIO
SAÚDE
SAÚDE